Ansiedade, Tempo e Autoconsciência

Modelo1.png

Uma das "doenças da moda" é a Ansiedade. (Escrevo moda entre parênteses, porque Freud já falava sobre a ansiedade/angústia na virada do século XIX...).

Existe até remédio hoje em dia para isso, mas na minha opinião, ansiedade é um efeito, portanto, qualquer remédio que se tome para isso, por melhor e mais necessário que seja de início, não cura, pois não trata da causa, sendo apenas um paliativo.

Inclusive, a palavra "paliativo" vem do latim "pallium" que significa "tapar, disfarçar, cobrir, amparar".

A maior causa dos problemas que existem com relação ao tempo, é o fato de que fomos criados para viver pensando no futuro.

Nossas decisões são sempre baseadas em futuro que pode nunca acontecer.

Tempo e espaço são totalmente interligados aqui onde estamos, e viver pensando no futuro faz com que deixemos de existir no tempo e no espaço, pois o único tempo que existe efetivamente é o "agora", que está interligado com o "aqui". Se não estou no "agora", também não estou no "aqui", e por isso, deixo de existir como o Ser Integral que sou.

Por essa razão, o primeiro passo para voltar a ter um relacionamento fortalecedor com o tempo e voltar a existir - e não apenas sobreviver, correr, lutar, resistir, etc - é voltar a viver no aqui e no agora, assim como você fazia quando era criança.

Até os 7 anos de idade estamos desenvolvendo a nossa estrutura psíquica. Ou seja, antes dos 7 anos eu ainda não coroei a minha inteligência racional e intelectual como a única inteligência real. 

O que acontece é que nosso cérebro é apenas uma ferramenta de tradução. Ela capta informações que vem de várias formas e de várias fontes e traduz para que nossa mente possa ter consciência. 

(E, na minha opinião, o caminho natural é a nossa expansão de consciência...)

Por volta dos 7 anos chegamos na seguinte configuração: somos 5% conscientes e 95% inconscientes. Nosso raciocínio lógico, o que vemos e achamos que é real, nossa memória mais recente, as palavras que ouvimos... tudo isso representa nossa mente consciente, ou seja, 5% do que somos.

Os outros 95% estão no inconsciente, que são as coisas que acontecem, que sinto, que vejo, e esqueço. É aquilo que me feriu profundamente quando eu ainda não tinha maturidade para encarar uma determinada situação, e eu prefiro "fingir" que aquilo não aconteceu, escondendo essa energia psíquica (emoção), dentro do meu inconsciente. É a minha capacidade de conexão com todas as informações que estão na malha de informações do universo (afinal, tudo é vibração, tudo é energia - comprovado pela ciência - e tudo está interconectado). É tudo aquilo que sou, mas esqueci (Se você for reencarnacionista, tudo o que você esqueceu dessa e de outras vidas...)

Isso significa que, a partir do momento que eu decido que minha mente racional é quem comanda, eu perco a minha ligação com 95% do meu potencial!

"E o que isso tem a ver com tempo, Joana???", você deve estar se perguntando...

Bem, acontece que o agora é o único tempo em que temos poder.

Se eu elejo minha inteligência racional apenas, e esqueço da inteligência que existe em todas as minhas células, esqueço da inteligência emocional, social, intrapessoal e de todas as outras inteligências que possuo, e me limito a 5% do potencial que tenho em me relacionar de forma integral com meu tempo.

"Joana, isso tá complicado! Me passe ai uma dica mão-na-massa para eu sair dessa situação!"

Ok! Aqui vai a primeira dica: ouça seu corpo! O seu corpo é algo que conecta você ao aqui/agora e ele está conversando com você a todo momento! Só que talvez, você não esteja dando ouvidos a ele. Pare por um momento e sinta: o que o meu corpo está pedindo? Um pouco de quietude? Um pouco de movimento? Ele quer que eu coloque as pernas para cima? A cabeça para baixo? Que eu deite? Que eu levante?

Trazer essas informações para a consciência é começar a ficar mais inteligente, porque essas informações já estão no seu inconsciente (os 95% de quem você é e ainda não sabe), e são muito ricas!

Essa semana atendi uma cliente linda que recebeu uma proposta de um novo cargo na empresa. A mente racional disse sim, mas o corpo... ah, o corpo! Ela aceitou o cargo na empresa, e no mesmo dia, ao chegar em casa, passou mal, ficou desanimada, não queria nem levar o cachorro/filho para passear... O corpo disse "NÃO" em letras garrafais.

Seria certo ela ouvir o corpo e dizer não? Seria certo ela ignorar o corpo e dizer sim? Lembre-se: não existe certo ou errado. Existe consciência. Ela tomou consciência da informação que o corpo trouxe a ela. E agora vai ficar atenta ao que acontece nesse novo cargo... Isso é viver o aqui/agora. Isso é existir.

Quantas vezes seu corpo fala com você e você o ignora? Às vezes o que ele precisa é de um pouquinho de imobilidade... Ficar parada, deitada no sofá, na grama, na rede... Porque você acha que isso é perda de tempo? ISSO É VIDA! É viver o aqui e agora.

Às vezes seu corpo grita por um pouco de movimento! Chega de ficar sentada, minha filha! Bora andar um pouquinho! Pisar na grama, na areia, sentir a brisa no rosto, ou o suor na pele, a serotonina fazendo efeito!

Tato, olfato, paladar, audição, visão... olha quanta informação chegando! Ouça seu corpo. Dê voz a ele. E aumente esses 5% de consciência. Isso é existir. E isso é só o começo...

 

Jo Ludwig